quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Sanguessuga Mitológico

Os Vampiros estão sempre na moda. Sejam monstros, criaturas sedutoras ou amaldiçoadas, eles continuam sendo tema de muitas publicações.

nosferatu3Eles nunca abandonaram uma geração sequer, estão sempre se renovando e se atualizando. Esses seres já fazem parte de nosso imaginário, de forma que, é inconcebível imaginar alguém que não conheça uma história de vampiro ou não saiba suas principais características.

Classicamente ouvimos dizer que os Vampiros são temerosos ao Sol; abominam os crucifixos e o contato com água benta queima; evitam o cheiro de alho; não entram numa residência sem serem convidados; dormem em caixões, e só podem morrer com uma estaca de madeira cravada em seu coração. Nessa época os Vampiros eram monstros demoníacos (porém elegantes) e assassinos que se não terminassem de matar a vítima durante a refeição a vítima tornaria-se um Vampiro também, como se fosse uma doença contagiosa. Em algumas variações, a vítima torna-se um vampiro apenas se o meliante dentuço que a mordeu assim desejasse. Esse é o mito conhecido que foi transmitido de geração para geração.

Mas sempre houveram as variações e o próprio mito só servia para ser derrubado e surpreender a todos.

Em Nosferatu (1922), a primeira adaptação não oficial de Drácula de Bram Stoker, visualmente o vampiro Orlok é bastante característico com seus 2 dentões frontais, a careca e um rosto estranho.

thehunger “Fome de Viver” (The Hunger, 1983) de Tony Scott, com David Bowie no elenco, o vampirismo é utilizado como metáfora para as relações humanas sem se prender nem um pouco ao mito. Moderno e exótico, nesse, nem dentes compridos eles mostram.

Em “A Hora do Espanto” (Fright Night, 1985) o vampiro é mais próximo daquele clássico, cheio de regras de comportamento. Lembro-me pouco do filme, mas me divertiu muito por vários anos.

“Garotos Perdidos” (Lost Boys, 1987), um clássico dos anos 80, o vampiro líder do bando adora comer alho e em seu covil os vampiros de seu ninho dormem de ponta cabeça.

Mas me parece que depois do livro “Entrevista com o Vampiro” de Anne Rice em 1976 que quase todos os vampiros tornaram-se belos, sedutores, sexy e maníaco-depressivos. Mas também ficaram carregados de humanidade, transformando completamente o mito clássico.

Dracula-gary-oldman-79334_339_425 O “Drácula” de Gary Oldman em 1992 é romantico sedutor e sofredor num filme que conta uma bela história de amor. Enquanto o “Drácula” de Bela Lugosi em 1931 privilegiava o suspense e a teatralidade do horror da época (outros tempos, é claro; mas mesmo assim).

No universo dos RPGs “Vampiro – A Máscara”, de Mark Hein Hagen, os vampiros são muito parecidos com os de Anne Rice (quase um plágio), mas agora eles são muito mais cristãos e possuem toda uma sociedade hierarquizada e organizada em clãs, facções e entidades (que em Anne Rice existe de forma muito mais sutil).

As crônicas Vampirescas de Anne Rice e os livros da série de RPGs “Vampiro – A Máscara” marcaram profundamente minha visão sobre o mito dos Vampiros, de forma que para que eu me encante novamente com o tema o autor deverá trabalhar muito bem o mito e os personagens.

“Vampiros de John Carpenter” (Vampires, 1998) fez isso. Contrariando a moda da época de vampiros bonitinhos e elegantes, John Carpenter retorna ao vampiro predador sem frescuras. “Um Drink no Inferno” (From Dusk Till Dawn, 1996), de Robert Rodrigues, também nos dá outra visão muito divertida do vampiro predador monstruoso.

trubloodwebsite1Já a atual moda de Vampiros não me agrada muito. “Crepúsculo” não me interessei em ver (muito menos ler). Porém “Tru Blood” achei que tinha um plot curioso e vi alguns episódios da primeira temporada. Ledo engano, a decepção foi certa!

Apesar das variações do vampirismo no cinema e na literatura, “Tru Blood” me surpreende:

  • PRATA? Isso não é para Lobisomens?
  • Sangue como alucinógeno? E o pior, apenas quando convém ao roteiro, pois em outros momentos serve como “Viagra” ou como “Poção de Cura Forte”.
  • Vampiros pedindo direitos civis? Simplesmente Hilário!

“Buffy – A Caça vampiros” era muito mais divertido.

E estão chegando muitos outros títulos sobre o tema. Aguarde.

nosferatu2

Um comentário:

briolinha disse...

O mito sofreu variações ao longo do tempo mesmo e, realmente, os predadores estão em baixa; mas eu acho que os vampiros humanos, elegantes e sedutores substituíram bem os carecas com suas garras, era o que faltava pra tornar a lenda mais deliciosa. Contudo foi uma pena o que fizeram com os coitados recentemente; desde quando vampiro ao sol vira globeleza?
Enfim, o post ficou digno da criatura, parabéns!!

Postar um comentário